segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

7º Capítulo

Acabaram poucos antes de jantar. Não tinham ido almoçar, apenas tinham comido umas sandes, por isso estavam esfomeados. Agradeceram ao jardineiro por os ter ajudado e foram até à cantina onde os jantares iam começar a ser servidos dentro de minutos. Entraram e pegaram num tabuleiro e foram para a fila, onde esperaram que os servissem.
W: Nunca pensei que o Jardineiro soubesse tanto sobre segurança.
I: Eu também não. Foi bom termos ido pedir à professora para nos indicar alguém, se não nunca saberíamos que ele era tão bom neste assunto.
L: Agora sei que nunca vou tocar em coisas que não sei, desde máquinas a quadros eléctricos. Pode correr tudo mal e estragar o espectáculo.
R: Mais importante do que isso Liz, estás a por em risco a tua própria vida e dos que te rodeiam. Existem coisas muito perigosas mesmo!
Ao olhar para o prato de Isabel, Will muda de assunto:
W: Vais outra vez comer vegetariano?
I: Sim, tanta carne já enjoa. Não sei como é que os americanos não comem peixe. Sabia-me tão bem agora um peixinho grelhado com um fiozinho de azeite…
L: Eu acho que nunca provei azeite…
I: Acredito. Aqui só há óleo e vinagre. Eu nem temperava muito com azeite, mas agora já sinto falta dele.
R: Eu continuo a achar que a comida brasileira é a melhor do mundo!
W: Tu estás sempre a dizer isso! Eu nunca comi nada sem ser americano. Espera, às vezes mando vir comida chinesa.
I: Eu não posso dizer muito porque nunca tive no Brasil, mas tudo o que eu comi brasileiro gostei muito. Faz-me lembrar a comida portuguesa que também é muito boa. Para mim as cozinhas brasileiras e portuguesas são as melhores.
R: É isso mesmo amiga, apoia-me. Já agora, amanhã podias fazer o almoço para nós. Íamos às compras e tu fazias o almoço.
I: Agora vai ter de sobrar para mim?
R: Claro. Tu gostas de cozinhar e eu não tenho jeito nenhum. O máximo que posso oferecer é pagar as compras.
L: Eu ajudo com as compras se tu fizeres aquela tarte de ananás que eu adoro!
W: Eu não ajudo com as compras mas faço aquele sumo de manga que gostas muito. Pronto, compro as magas. Vá lá Isa. Fazes o almoço?
I: Sim faço. Mas só se hoje à noite acabarmos de editar o vídeo!
Foram-se sentar à mesa. A Liz começou a falar sobre uma rapariga da turma dela que andava desaparecida há dois dias e ninguém sabia dela. Rita e Isabel ouviam interessadas as teorias que a turma de multimédia tinha inventado acerca do desaparecimento da colega mas Will estava com uma expressão esquisita.
L: O que foi amor? Não estás a gostar da conversa?
W: Não estou assim por causa disso, Liz. Estou com uma preocupação que não consigo tirar da cabeça.
L: O que é? Posso ajudar?
Rita e Isa olham interessadas.
W: Era bom, mas não me lembro do que é…
Rita e Isa começam-se a rir. Liz tenta disfarçar o riso enquanto faz festas na cabeça do namorado.
L: A tua sorte é eu gosto de ti mesmo assim esquecido das coisas. Acho que ficas com um ar ainda mais sensual…
Isa e Rita têm um novo ataque de riso mas desta vez daqueles que não se consegue parar. O telemóvel de Rita toca (música dos Linkin Park, claro, In The End) e ela levanta-se. Sem conseguir parar de rir, diz:
R: Estão-me a ligar de casa. Tenho mesmo de ir atender.
Levanta-se e vai para a varanda do refeitório para falar mais a vontade. Will começa a dar pancadas na mesa com a cabeça. Isa e Liz olham estranhamente para ele.
L: Will! O que é que estás a fazer?
Liz tenta fazer parar Will de bater com a cabeça. Como não consegue, Isa levanta-se para a ir ajudar. Quando conseguem, Liz pergunta:
L: Estás bem? O que se passa?
W: Esqueci-me de ligar à minha mãe! Ela vai matar-me!
Sai a correr na mesma direcção da Rita.
I: Era mesmo preciso bater na mesa até fazer uma segunda cabeça?
L: Por um lado sim. Primeiro, se a mãe não lhe mandar mais dinheiro, ele não vai comer na próxima semana. Mas se lhe crescer uma outra cabeça, vai ser ainda mais difícil alimentar as duas…

Sem comentários: